2.23.2011

I'm in the USA... What about my English now?


Hi there, guys! What are you up to?

O tempo passando rápido e cá estou eu novamente para a minha colaboração mensal.
E hoje vou falar sobre como melhorar o inglês estando nos Estados Unidos como au pair.

O objetivo principal de um intercâmbio é o de melhorar a língua. Alguns objetivos secundários vêm agregados, tais como amadurecer, conhecer mais de outra cultura, viajar, até cuidar de crianças e quem sabe descolar um green card hehe Brincadeiras à parte, aprimorar a língua falada no país de destino é o objetivo central, mas se não houver dedicação, ele fica pra trás.

O au pair oferece a oportunidade de se aprender e praticar inglês no dia a dia com um alto nível de independência. O que eu quero dizer é que depende de você aperfeiçoar a língua porque apesar da bolsa de estudos paga pelos host parents, au pair estuda muuuuuito pouco, pois as aulas são em média de cinco horas por semana e estão condicionadas as oportunidades de estudo na região onde mora e no tempo livre que tem para estudar, ou seja, o estudo acaba ficando em segundo plano em relação ao trabalho. É muito pouco dependendo do quanto de gramática e vocabulário você precise para daí passar a se comunicar de forma mais adequada e clara, passando a experimentar com a língua, ou o que é conhecido como fluência*. As candidatas (os candidatos) a au pair devem ficar atentas(os) a isso, pois muitas vezes o tempo que se permite ficar nos States somado ao baixo custo do programa, saltam aos olhos e aí ao estar aqui a(o) au pair se decepciona com o intercâmbio porque queria estudar todos os dias, com mais intensidade, e se dá conta que veio aqui muito mais para trabalhar do que para estudar e essa frustração é muito ruim e pode ser evitada. Porém, o au pair é muito bom para desenvolver a língua se a(o) au pair "correr atrás da máquina" como diria a minha mãe.

Muito importante é já ter um inglês legal, pois quanto melhor for seu inglês, mais fácil fica uma vez que ao invés de aprender o beabá, você vai correr atrás de aprimorar, polir o seu conhecimento. Por isso, estude, estude muito antes de vir. Curso de inglês é caro, eu sei, mas há muitos sites e blogs na internet que oferecem dicas de graça no seu email e que sempre publicam explicações gramaticais, dúvidas comuns e expressões, como o  English Experts. Há também sites de exercícios gramaticais: Agenda Web, Learn English, http://www.manythings.org/. E também sites de dicas como Tecla Sap.

Isso sem contar que quanto melhor o inglês, mais fácil fica conseguir uma família, pois as famílias também precisam sentir que vão poder ao menos se comunicar com você sobre os filhos deles.

Uma vez estando aqui, o que fazer para melhorar? Bom, além das aulas que vão contar para preencher o quesito educacional do seu programa, você pode:
  • Procurar por high schools perto de você que ofereçam programas de educação continuada, sendo inglês um deles. São aulas de ESL (English as a second language - Inglês comos segunda língua) geralmente duas vezes por semana e são de graça! As bibliotecas públicas também oferecem workshops, clubes de conversação, aulas de conversação, assim, investigue o site da biblioteca pública da região em que vai morar ou mora, porque essas aulas também são de graça;
  • Assistir TV em inglês. Descubra o horário em que seus seriados favoritos passam e assista-os. Ao assistir TV, você aprende sem fazer muito esforço, então fuce a programação e assista tudo que for de seu interesse. Quando assistir a algum desenho animado com as host kids, preste atenção à TV também;
  • Assistir a filmes. Americanos geralmente têm muitos filmes em casa e as bibliotecas públicas oferecem locação uma vez que você seja associado, além de locais como a rede Seven Eleven, que oferece aluguel de filmes por 1 dólar. Ao assistir a um filme, coloque a legenda em inglês, caso se sinta mais confortável. Acompanhar legenda é uma questão de prática;
  • Ler. Leia as revistas de moda que chegam pra sua host mother, o jornal, leia os livros infantis das suas host kids, os catálogos, leia tudo. Pegue livros na biblioteca... leia na internet;
  • Se expor. Evite, ao ir a um restaurante ou uma loja, pedir para a sua amiga que parece falar inglês melhor fazer o seu pedido ou tirar uma dúvida. É sua amiga que vai praticar, não você. Se exponha em diversas situações, para aprender como se virar nelas. O máximo que pode acontecer é o seu pedido vir errado;
  • Faça amizades com estrangeiros. Pode ser amizades com americanos mesmo, na igreja ou na faculdade, por exemplo. E converse com seus host kids e host parents. Nativos sempre dão dicas de vocabulário, de pronúncia. Se amizades com americanos não for uma opção muito simples, tente pelo menos fazer amizades com au pairs de outros países, pois quando vocês estiverem juntas(os), o inglês vai funcionar como língua franca, sendo a única opção para conversar. Muitas(os) au pairs falam mal das alemãs, mas antes de tachá-las de chatas, grossas, etc. procure conhecê-las, pois a maioria delas tem um inglês ótimo (por conta do sistema educacional alemão, em que a maioria das escolas é bilíngue). Além do que, fazer amizades com estrangeiras abre um leque de oportunidades, como a possibilidade de uma viagem para outro país no futuro tendo onde ficar;
  • Preferir famílias com kids mais velhas, de preferência já em fase escolar. Muitas(os) vão discordar de mim, mas crianças maiores podem ajudar a(o) au pair com a língua e ela(ele) pode aprender muito auxiliando nas tarefas escolares. Não me levem a mal,  mas passar várias horas do seu dia com bebês pode não ser tão válido para o seu inglês como passar as mesmas várias horas com crianças que já conversam, como a partir dos seis anos, quando começam na primeira série.
Não quero dizer que se deva evitar todo e qualquer contato com o português e com brasileiras. Falar português, sair com brasileiras ajuda a diminuir a saudade, mas é preciso cuidar para não voltar para o Brasil falando português melhor do que quando embarcou. Melhorar seu inglês depende somente de você.

*Fluência é um termo muito confundido e erroneamente utilizado. Como professora de inglês e graduada em Letras, eu entendo a fluência como a habilidade de poder se comunicar, se virando mesmo numa situação que não lhe é familiar e com vocabulário que não é do seu conhecimento. Portanto, pra mim, fluência independe do nível de inglês e tem mais a ver com a desenvoltura, as tentativas, os experimentos com a língua. Uma conversa natural, fluída, indica essa fluência. Difere de proficiência, que é quando alguém é capaz de utilizar a língua em diversos contextos com alto grau de conhecimento linguístico.

See ya in March!

Bruna

1 Comments:

Leu, Gostou? Opa, Não gostou? Então comenta aqui o que acha!!!